O impacto da Fast Fashion no nosso ambiente

Updated: Mar 17

Será que uma peça de roupa barata é o único preço a pagar?



A sociedade de hoje em dia é extremamente consumista, especialmente no que toca ao mundo da moda. Os preços das roupas diminuem cada vez mais e o aparecimento de novas tendências é cada vez menos espaçado no tempo. Cada vez mais se compra roupa impulsivamente, sem pensar nas consequências que causadas por este ato. Sendo que a indústria da moda é uma das mais poluentes do mundo, é essencial conhecermos melhor os seus impactos negativos.


Começo por explicar o conceito de Fast fashion ou, “moda rápida”, em português. Este é um modelo de produção em massa de roupa barata, com um tempo reduzido de vida. As roupas, que antigamente eram tratadas como bens duráveis, são hoje vistas como algo descartável, utilizadas por um curto período de tempo. A indústria da moda funciona de tal maneira a que os consumidores comprem uma peça de roupa mas, mal esteja fora da moda, sintam necessidade de deixá-la de parte no armário, ou mesmo deitá-la fora, e comprar uma roupa que esteja mais “trendy” no momento, até ficar novamente fora de moda tornando-se assim o processo num círculo vicioso consumista.


Coloca-se a questão: porque é que comprar roupas em excesso - e principalmente Fast Fashion - prejudica o nosso ambiente? As razões responsáveis pela degradação do nosso ambiente são inúmeras e, por isso, vou aprofundar apenas algumas.

“Globalmente, 80% dos têxteis descartados são destinados para aterros ou para a incineração. Por outro lado, apenas 20% são realmente reutilizados ou reciclados"

Em primeiro lugar, um dos fatores prejudiciais ao meio ambiente é o descarte exacerbado de roupa. O que há de errado com este sistema de moda é que a maioria das roupas não são recicladas nem doadas, e, em vez disso, vão para aterros ou são incineradas. Globalmente, 80% dos têxteis descartados são destinados para aterros ou


para a incineração. Por outro lado, apenas 20% são realmente reutilizados ou reciclados. Nos aterros, estes materiais demoram cerca de mais de 200 anos para se decomporem e, durante esse processo de decomposição, libertam metano - um gás que contribui para o efeito de estufa, sendo ainda mais potente que o carbono.


Outro grande problema da indústria têxtil é o excesso do consumo da água no fabrico de roupas. Todos os anos, a indústria têxtil consome 93 TRILHÕES de litros de água! Segundo a Fashion Revolution, aproximadamente 2.700 litros de água são consumidos para a produção de uma simples T-shirt e 10.000 litros para um par de calças jeans, o que é absolutamente absurdo. Ainda para mais, estes são apenas os litros de água necessários para a sua produção, uma vez que não foram contabilizados os consumidos na lavagem semanal destas roupas.


As lavagens mecânicas impactam negativamente o ambiente por usar muita água, mas não só. Peças de roupa feitas com fibras sintéticas, como por exemplo o poliéster ou o náilon, libertam milhares de nano partículas de plástico para os mares e os oceanos em cada lavagem. E, para além de poluírem recursos hídricos, sendo preciso centenas de anos para biodegradarem, também põem em causa a biodiversidade, uma vez que organismos aquáticos como peixes consomem estas partículas. Um relatório de 2017 da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) estimou que 35% de todos os microplásticos no oceano vêm da lavagem de têxteis sintéticos.


Existem outros impactos negativos da “Fast fashion” que não foram mencionados neste artigo, não só ambientais, mas também sociais, como o emprego de mão de obra escrava para obtenção de preços de venda muito baratos. Mesmo assim, foi possível esclarecer, de certa forma, o que é “Fast Fashion” e o porquê de ser prejudicial.


Em Portugal, que exemplos temos de lojas Fast Fashion? Por mais surpreendente que pareça, lojas são todas lojas que seguem este modelo. A má qualidade dos produtos é compensada pelos baixos preços que atraem consumidores inconscientes.


Deste modo, devemos pensar melhor nas nossas ações, e refletir profundamente sobre este assunto. É nosso dever enquanto sociedade procurar alternativas a esta moda rápida. Infelizmente, o vestuário sustentável não é acessível a todos hoje em dia. No entanto, existem muitas outras

opções mais económicas como, por exemplo, comprar roupas em lojas de segunda mão, como é o caso da loja “Humana” – existe no Porto, em Lisboa e também em Espanha - que, para além de ajudar o planeta, é também uma loja de caridade. Existem também sites online que vendem roupa em segunda mão, como a “Depop” e a “Mycloma”, e até é possível alugar roupas on-line! Mais do que comprar, é nosso dever refletir sobre as roupas que já temos, se estivermos cansados do aspeto delas podemos tentar alterá-las ou levar a uma costureira. Quando realmente não quisermos mais as nossas roupas podemos sempre reciclá-las, doá-las ou mesmo passar aos primos mais novos!


Artigo escrito por Jasmine Viesulas

Fontes:

https://www.menos1lixo.com.br/posts/o-consumo-de-agua-pela-industria-textil

https://impakter.com/fast-fashion-effect-on-the-environment/

https://remake.world/stories/news/are-our-clothes-doomed-for-the-landfill/

https://fr.fashionnetwork.com/news/Magali-moulinet-govoroff-10-000-litres-d-eau-consommes-pour-un-jean-c-est-aberrant-,1247057.html



78 views0 comments

Recent Posts

See All

Água